quarta-feira, 19 de abril de 2017

ALVO DAS REFORMAS

De modo injusto, o alvo das reformas que o governo Michel Temer (PMDB) quer fazer é exatamente a classe de assalariados, já tão explorada por esse Brasil afora. São as reformas polêmicas da Previdência Social e a trabalhista, atendendo interesses gananciosas da extrema direita elitista, que só pensa em levar vantagens.
Cadê que se fala em reforma política, que deveria começar por aí, e reforma tributária. Que nada, o negócio é atingir os mais fracos economicamente, os desfavorecidos, os sem voz no Congresso. O país corre grande risco de mais empobrecimento e miséria a partir dessas propostas.
Na verdade, a reforma política não interessa aos legisladores (deputados e senadores), enquanto a reforma tributária pra valer não é de interesse do governo. Assim, parlamentares e governantes tocam o barco conforme suas ambições do momento. Governam e legislam em causa própria e não da nação que tanto precisa do bem coletivo.
Com o banqueiro Henrique Meireles no comando da área econômica deste governo não se poderia esperar diferente. O país vai passar por uma profunda divisão, enquanto a corrupção de políticos e empresários inescrupulosos sugam todo o dinheiro público, deixando à míngua a saúde, a educação, a segurança pública e outros setores vitais que poderiam nos dar desenvolvimento.
É pra isso que o então vice-presidente Temer assumiu a Presidência?  É mais decepção como se não bastassem os governos anteriores que nos puseram no fundo do poço com a maior recessão econômica de todos os tempos e uma corrupção escancarada sem limites – como se um limite fosse tolerável. Não, não é. É apenas modo de dizer.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

REFORMAS SEM CLIMA

APOSENTADORIA Com reforma só depois da morte
É possível prever o desfecho das reformas do governo Michel Temer (PMDB) e Estados no tocante à Previdência Social e até em outras como a pretendida reforma trabalhista. Simplesmente, não há clima no atual momento político e econômico nacional.
Ora, como Estados, a exemplo do Rio Grande do Norte, meu Estado, querem aprovar uma reforma previdenciária absurda, arrancando mais dos servidores com aumento da contribuição?  Isso, é claro, numa situação sistêmica de atraso de salários e defasagem salarial de anos, sem um reajuste sequer que acompanhe o custo de vida crescente no país?
É querer esfolar servidores que já não conseguem sequer pagar contas em dia e vêm perdendo poder aquisitivo mês após mês. É ilógico tentar enfiar goela abaixo uma reforma de tal magnitude, que derruba conquistas que jamais deveriam ser mexidas, porque o país e seus governantes não têm credibilidade para isso diante da nação. Só se for a força da baioneta, não do voto democrático.
No plano nacional, como o governo Temer se atreve a enviar uma reforma da Previdência e mais uma reforma trabalhista, se não consegue sequer estancar a sangria do dinheiro público roubado por meio da corrupção pelos próprios políticos e empresários?
Aliás, aqui mesmo no RN, o governador Robinson Faria (PSD) e seu filho o deputado federal Fábio Faria (PSD) estão enrolados na corrupção que banca eleições e enriquecimento ilícito com dinheiro público. Então, pior ficou sua moral política e governamental.
Ora, cadê a assistência à saúde do povo? A educação de qualidade e a segurança pública tão cobradas hoje em dia dado o aumento da violência e da criminalidade crescente em todo o país? Cadê os empregos de salários dignos?
Não é só injusto o que está querendo o governo Temer antes de mostrar serviço? São descabidas tais propostas governamentais, no país e nos Estados, na atual conjuntura nacional. O povo não vai deixar passar. É preciso que antes de qualquer reforma radical, governos ganhem primeiro confiança, depois tenham a seu favor uma realidade favorável e por último justifique robustamente tal necessidade.
Avançar com essas reformas é se atrever a um confronto de forças, em que de um lado ficará os governantes e classes privilegiadas; e de outro o povo, maioria, explorado e jogado a mercê de sua própria sorte.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

QUE PENA!

O dinheiro desviado para a corrupção, daria para construir um Brasil bem melhor para todos nós.
Com mais saúde, melhor educação, segurança pública e transporte de massa nos centros urbanos.
Mas os políticos não pensam assim, pensam só na reeleição e na boa vida deles. Puro egoísmo, indiferença e individualismo em detrimento ao bem comum. Pobre país. Um dia cairá sobre o peso de seu pecado.
A reeleição deveria ser proibida aqui em todos os níveis. Servir ao país só num mandato eletivo, eleito pelo povo sem voto obrigatório. Esta é a reforma que precisamos para limpar essa podridão.

terça-feira, 11 de abril de 2017

SEM RESULTADOS PRÁTICOS

Governo do Rio Grande do Norte anuncia mais um plano de segurança para tentar combate a alta criminalidade da bandidagem no Estado e, principalmente, na Grande Natal.
Por enquanto, só mais teoria do que prática é o que mostra a estatística da realidade potiguar, pois das 91 iniciativas, segundo o próprio secretário estadual da Segurança, Caio Bezerra, 32 já estão sendo executadas sem resultados práticos que atendam os anseios da população.
Parece ser mais um plano para dar uma satisfação pública diante do clamor do povo amedrontado pela realidade de hoje, pois nem mesmo o governador Robinson Faria (PSD/RN) apareceu para dar uma forcinha ao plano e apoio ao seu secretário.
Um plano pretensioso que sonha alto antes de obter algum resultado prático, pois quer ser nessa área da segurança o Estado modelo para o Brasil. Vender essa ideia agora é querer fazer o povo de bobo e pedir um cheque em branco para a reeleição de 2018. Só pode ser!

segunda-feira, 3 de abril de 2017

REAÇÃO DA IGREJA E OAB

A Igreja Católica está em campanha aberta contra a reforma da Previdência Social que prejudica a classe trabalhadora brasileira, assim como a OAB nacional (Ordem dos Advogados do Brasil) já tornou posicionamento contra tal projeto do governo Michel Temer (PMDB). Nem precisa dizer, e se digo é só como ênfase, que essas são instituições fortes de expressão máxima em liderança.
Ainda desorganizadamente, o povo reage nas conversas e nas ruas contra a reforma previdenciária dos ricos e poderosos que não querem pagar a conta e jogam para o colo dos verdadeiros trabalhadores e trabalhadoras do país. Não discuto aqui o mérito de que a Previdência brasileira precisa ou não de reforma. Não, não é bem isso que quero dizer.

País assustado
O problema é que está começando de forma aloprada assustando o país que já não suporta tanta injustiça social, que envolve corrupção, desmandos, desvios de dinheiro, sonegação e por que não inverdades sobre questão nacional como a da Previdência que faz parte da Seguridade Social. É que os governos buscam caminhos mais fáceis para tapar os rombos que eles mesmos fazem.
Na época do ajuste fiscal do então ministro da Fazenda Joaquim Levy, do governo Dilma Rousseff (PT), eu cantei a pedra antes aqui em um dos meus curtos artigos. Aproximavam-se as eleições em que Dilma Rousseff seria reeleita. Então, disse: esse ajuste não passará. O ministro caiu e não passou mesmo. Agora se aproxima outra eleição presidencial em 2018. Pois bem, eu digo o mesmo: essa reforma da Previdência não passará.
Nos sermões das missas nas igrejas, padres estão abrindo a artilharia e fuzilando claramente contra a reforma da Previdência e condenando também o projeto da Terceirização já sancionado pelo presidente Temer (PMDB). Este partido, com seus candidatos, pode ser triturado nas próximas eleições, assim como foi o Partido dos Trabalhadores (PT) de Lula, por conta da corrupção e do desmantelo na economia do país.
Passou o tempo de o povo engolir tudo goela abaixo. Se avançarem com essas reformas de beneficiar ricos e poderosos, em detrimento do trabalhador já calejado de levar a pior, com certeza o eleitorado brasileiro dará a resposta clara nas urnas de 2018. Não é pra isso que o PT foi colocado para fora do governo. A reação começa a sacudir o povão.
Temer não insista e faça pista! – como diz aquela música do Erasmo Carlos. "Não ao candidato que votar na reforma da Previdência" – prega a Igreja.

segunda-feira, 27 de março de 2017

POLÍTICA PELO AVESSO

No Brasil, costuma-se fazer política contra adversários e não verdadeiramente pelo bem comum, como deveria ser. Bastam algumas poucas evidências para se demonstrar isso. Primeiro, governo eleito começa por contestar obra de seus opositores, em vez de repará-la, se houver necessidade, e mantê-la em seus aspectos positivos se a obra ou projeto é importante e serve ao município, Estado ou país.
Não, político bom é aquele que abandona a obra do outro e passa a construir outra em nome de seu governo, desperdiçando recursos financeiros, além de retirar da população aquilo que serve como serviço público, só porque é de um adversário. Exceto se a obra for de um antecessor aliado. Caso não, inventa-se defeito e aquilo lá vai pro beleléu. Diz que é coisa do passado e não se fala mais nisso.
Dou aqui um exemplo desse absurdo no Rio Grande do Norte em particular, e no país também. No RN, as Centrais do Cidadão um projeto em sua iniciativa original aplaudida pela população em geral, como um dos serviços de qualidade do poder público potiguar, da época do então governador Garibaldi Alves Filho (década de 90), logo abandonado nos governos seguintes, algumas centrais fechadas, e até hoje esse maravilhoso projeto permanece sem ser restaurado. Perdeu o povo que se utilizava para fazer documentação em um só local. Mesmo existindo ainda algumas centrais, o funcionamento é pra lá de precário e muito reclamado.
No plano ainda estadual, que servia de exemplo nacional, temos os Cieps (Centros Integrados de Ensino Público) criados na época do governo brizolista (Leonel Brizola) no Rio de Janeiro, apelidado de Brizolões (anos 80/90), idealizados pelo então vice-governador Darcy Ribeiro. Importante projeto educacional diferenciado, os Cieps também terminaram abandonados e esquecidos, embora atualmente se fale tanto em educação de tempo integral, que reúne o útil ao agradável, onde alunos passavam o dia em atividades didáticas, de leituras, práticas esportivas e com direito a boa alimentação, mais tratamento odontológico. E qual era a proposta dos Cieps se não ocupar o tempo integral de alunos e alunas! Eram caros? Muito mais caro é a corrupção, ora essa!
Quer dizer, gestores públicos no Brasil sempre preferem começar do zero, desperdiçando recurso público e gastando o que não pode para depois mandar a conta para a população em forma de mais impostos, contribuições e taxas adicionais, além de diminuir serviços e torná-los precários. Trata-se de um Brasil que não anda, marca o passo no atraso. É a política feita pelo avesso.

sexta-feira, 24 de março de 2017

MELHORIAS NA BR 101

VIADUTO Bairro com acessos facilitados
Esta semana, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, hoje conhecido pela sigla Dnit, liberou finalmente as passagens de nível inferior sob o novo viaduto da BR 101, em Neópolis, que dá acesso a esse bairro de Natal e adjacências da zona sul. Assim como permite o retorno na direção de Parnamirim, município da região metropolitana.
Era a etapa derradeira que faltava, já que a obra do viaduto havia sido entregue há mais de mês, e estava faltando apenas essas passagens de veículos por baixo da obra principal. Para tornar, definitivamente, via expressa na rodovia em trechos urbanos que passa por dentro de Natal e Parnamirim, outras obras estão em andamento, como o de outro viaduto e passagens inferiores em Emaús, com acesso ao bairro de Nova Parnamirim do município vizinho. Além várias passarelas de pedestres que estão sendo erguidas ao longo desse percurso.
Torci muito, escrevendo aqui, para que moradores de Neópolis e adjacências, tivessem melhores acessos à BR 101 quando se dirigissem no sentido Natal–Centro ou Natal–Parnamirim, sem congestionamentos como acontecia anteriormente nas manhãs logo cedo ou na volta de fim de tardes. Esse tempo novo, graças a Deus chegou, e essas melhoras nos anima.
Hoje você sai tranquilo para ter acesso à BR, que seja de Neópolis, que seja das proximidades como Jiquí, Pirangi e Nova Parnamirim por essa rota. Soube pelo noticiário que o segundo viaduto construído em Emaús, de acesso à região ali. já está em fase experimental para ser liberado também.
É muito bom ver isso acontecendo em meio a tantas notícias tristes, desanimadoras e que nos deixa um tanto pra baixo. Estamos muito próximo de ter uma BR de fluxo intenso sem retenções, porque os semáforos estão sendo retirados com essas obras. São as boas notícias que queremos.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Tá ligado?

CORRUPÇÃO Ópio do nosso Brasil da ganância
Dei uma mergulhada depois do carnaval e desapareci sem postar mais nada. Tive que mudar de computador e a máquina daqui de casa é sempre muito ocupada por todos nós no dia a dia. Resolvi então, dar uma parada para desenfastiar um pouco.

Nesse tempo muita coisa aconteceu e foi noticiada, como também deu pauta para os usuários das redes sociais, como Facebook e Twitter, com muitas idiotices por aí afora, Deus nos acuda. Mas o território é livre e frequenta quem quer. As amizades é que devem ser selecionadas.

Às vezes, quando estou de saco cheio, dou um tempo sem visitas frequentes. Não gosto, por exemplo, de ideologias fanáticas, doentias e cegas. Nem de direita, nem de esquerda! Tá ligado? Sou moderado em tudo, ando com um pé na frente e outro atrás como tática para recuar ou avançar.

O Brasil é o mesmo, nada mudou até aqui. Cada vez mais se descobre corrupção na política e no meio empresarial. Até quando? Creio que precisamos de uma revolução mental, que começa dentro de nós, para mudar isso, a partir destas gerações atuais.

Mas a mudança só virá mesmo com o tempo, talvez só as futuras gerações viverão um Brasil melhor se nós lutarmos por isso. Caso não, vão viver na mesma que nós, com a herança maldita deixada. Coitado dos nosso netos se assim for! Vamos ser otimistas e trabalhar por nova vida.

O mais desafiador que temos pela frente são as eleições gerais de 2018. Até aqui, sem uma renovação do quadro nacional de políticos partidários. Precisamos de gente nova, confiável, que lute pelo país sem os vícios de hoje. No mais, prometo voltar ao espaço aqui, assim que tiver algo a dizer. Até!!! 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Guerra contra o crime

AGÊNCIAS Alvo de criminosos no interior brasileiro
Nem precisa o Banco do Brasil determinar o fechamento de agências bancárias no interior do Rio Grande do Norte. A bandidagem, que toma conta do Estado, encarrega-se disso.

Por aqui, já se perdeu a conta de quantas agências e caixas eletrônicos foram mandados pelos ares nas explosões criminosas de bandos organizados para agirem com violência onde existir uma agência ou posto.

Aterrorizam a cidade do interior visitada, acuam a pouca polícia existente por lá e levam o dinheiro que existir. Depois fecham as estradas utilizando grampos que furam pneus, e somem sem deixar pistas.

Enquanto isso, nosso governador da segurança, como autodenominou-se em campanha nas eleições, está na China, bem longe daqui. Bote lonjura nisso. Fazendo o quê? Sei lá!

Pois sim, o governador potiguar Robinson Faria (PSD) anda pela China e talvez consiga lá o segredo chinês de acabar com a insegurança aqui neste sofrido RN do Nordeste brasileiro.

Interessante é que, a bandidagem sabe se organizar, planejar para atacar cidadezinhas e seus bancos, enquanto o Plano de Segurança Nacional do governo Temer dança feio sem resultados convincentes.

Pelo visto, da capital ao interior do RN não sobra uma agência bancária sem ser dinamitada. Cadê os serviços de inteligência? Os efetivos policiais e a integração nacional de forças contra o crime organizado?

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

O espetáculo vai começar!

CIRCO O "globo da morte" é um número desafiante
Fazia anos, muito tempo mesmo, que não ia a um bom circo. Acho que desde menino, quando ia pela cidadezinha interiorana onde morava, assistir a espetáculos desses circos menores, bem modestos, chamados de mambembe.

Pois neste domingo, 19 de fevereiro, reencontrei-me com um circo, desta vez de categoria internacional, aqui em Natal, atendendo sugestão de minha mulher Francisca das Chagas (Chaguinha). Em toda a minha vida fui mais ao cinema, do que ao teatro e ao circo.

Até porque o cinema muito mais acessível até mesmo no preço do ingresso. Teatro é para quem pode e aqui em Natal não é tão fácil boas peças teatrais com gente famosa da televisão e do cinema.

Bons circos, destes que se localizam em áreas centrais ou nobres são mais difíceis do que teatro. Até porque os circos estão desaparecendo hoje em dia e são raros os de categoria. Mas de tempos em tempos aparece um por aqui, que vale a pena ir assistir seu espetáculo.

O Le Cirque me agradou pelos números apresentados e tive a impressão que estava revivendo um tempo que deixei para trás, lá na minha querida Afonso Bezerra da época de meus pais. Ah, que saudades!

Valeu o espetáculo e o domingo para nós, que buscamos nos fins de semana um agradável lazer. O bom espetáculo circense merece, sim, o preço do ingresso e nossos aplausos. A criançada adora a brincadeira dos palhaços e nós adultos ficamos com o coração na mão em números como o globo da morte e outros.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Governo toma uma rasteira

GOVERNADOR Robinson Faria: levou um tranco
Bem feito, o governo Robinson Faria (PSD) levou uma rasteira dos deputados na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Nada mais justo para quem se acha acima do bem e do mal. 

Ora, o governo de Robinson acha-se no direito de não cumprir com deveres, quando não cumpre o calendário de pagamento dos servidores estaduais em dia, sob pretexto da crise financeira.

No entanto, quer cobrar dos servidores, que não pagam contas em dia, porque  não recebem o salário no mês, juros e multas para tributos estaduais. 

Pois bem, os deputados, justamente, entenderam que essa é uma injustiça social, e derrubaram veto do governador para projeto de isenção fiscal que havia sido aprovado.

Claro que nada mais justo. Quem se acha no direito, evidentemente tem de cumprir primeiro deveres. Além de que o governo Robinson Faria, pai do deputado federal Fábio Faria (PSD), não ajusta salários.

Mantém salários achatados pela inflação, não cumpre calendário de pagamento em dia, mas quer cobrar multas e juros desses servidores. Esse mundo é muito engraçado mesmo! 
_________________

Servidores do RN ficam isentos de pagar juros de tributos estaduais

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Mais arrecadação em 2016

Leio aqui uma notícia dando conta que o recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) no Rio Grande do Norte atingiu R$ 4,8 bilhões em 2016.

Quer dizer, ano em que o governo do RN reclama da queda de receitas e manteve durante todo o ano o atraso no calendário de pagamento dos servidores estaduais que se tornou rotina.

Pois bem, o valor é 8,3% maior que o arrecadado em 2015, que recolheu R$ 4,4 bilhões.  Ao menos em ICMS, principal fonte fiscal própria, o governo de Robinson Faria (PSD) não tem de que se queixar.

O montante de 2016 repassado aos cofres estaduais foi o maior desde 2012. No entanto, o governador Robinson continua o chororô por conta da crise financeira que afeta os Estados.

Iniciou 2017 sem mudar a ladainha e na mesma marcha, negando-se a reajustar salários defasados e pôr em dia o calendário de pagamento dos servidores. Olho vivo, gente! Cadê os sindicatos?  

O poder de compra do servidor, até mesmo para ir toda semana ao supermercado, está indo pro beleléu. Ou já foi. É o que se escuta em qualquer roda de conversa que tem servidores públicos.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Arrocho salarial

Saiu de cena a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que blinda o governo contra reivindicações salariais, e entrou em seu lugar a crise das finanças estaduais sem fim.

Assim, o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), pai do deputado federal Fábio Faria, tem se blindado com facilidade para congelar salários de servidores e atrasar calendário de pagamento.

Há mais de um ano o governo Robinson não acerta o passo com os servidores na questão do pagamento, que além disso passam por um aperto nos salários que já vem de outros governos passados.

Próximo ano é ano de campanha eleitoral e talvez até lá essa crise chegue ao fim, com o governo dando um jeito de acertar suas contas com os servidores estaduais.

Primeiro pagando salários em dia, e segundo corrigindo salários defasados, sob a pressão que virá com a aproximação da campanha eleitoral.

A despeito de que os servidores estão acomodados e engolem sem reação desculpas governamentais, a desconfiança de que o governo manipula a opinião pública já é sentida no meio do funcionalismo.

Até quando o governo Robinson vai empurrar esse problema para frente é o que se questiona. Mas com eleições avizinhando-se sempre aparecem milagres. Quem viver, verá!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

A violência urbana

A esperança de paz social da população natalense se volta agora para o projeto-piloto do Plano Nacional de Segurança que o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre Moraes, estará lançando aqui em Natal, nesta quinta-feira, 2 de fevereiro.

Quando se chega ao ponto de não haver sequer segurança ao sentarmos num barzinho ou lanchonete de qualquer bairro urbano de Natal, em consequência da criminalidade que se vive hoje em dia, é porque a situação se tornou gravíssima, sem controle e imprevisível.

Natal e municípios circunvizinhos transformaram-se numa região metropolitana de muitos homicídios, em face do tráfico e consumo de drogas. Aliás, todo o Estado está contaminado por essa praga.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Bancos são alvos de criminosos

Entre as muitas batalhas pela frente, a guerra contra as facções não está vencida.

Mais uma agência bancária do Rio Grande do Norte, desta vez na cidade de Lajes, microrregião de Angicos, teve caixas eletrônicos como alvo de explosões criminosas na madrugada desta segunda-feira (30).

Em documento, encaminhado ao ministro da Defesa, Raul Jungmann, para solicitar a permanência de tropas das Forças Armadas em Natal, o governador do RN, Robinson Faria, destaca que "há indicativos de intensificação das ações dos faccionados contra agências bancárias".

É uma forma, segundo o governador, dessas facções se capitalizarem para novas ações.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Fechamento de Alcaçuz

ALCAÇUZ Governador quer simplesmente fechar


A questão é: o fechamento da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, principal presídio do Rio Grande do Norte, não seria um desperdício de investimento público que se tem feito até hoje?

Bem, esse questionamento é feito por aí afora, pois esse é o propósito do governador do RN, Robinson Faria (PSD), já anunciado na mídia, como forma de beneficiar essa região turística da Grande Natal.

Ora, a capital Natal é a principal cidade da região turística metropolitana e nem por isso vai deixar de ter seus presídios. O que se precisa é que sejam presídios de segurança como toda unidade prisional.

Depois de o governo aplicar tantos recursos financeiros e estruturais nessa unidade, por que agora fechar simplesmente? Melhor seria um estudo menos açodado já que se necessita de mais unidades prisionais.

Por que, então, não transformar Alcaçuz num presídio para presos de crimes de menor gravidade e bom comportamento, separando-os dos considerados de maior periculosidade?

Talvez para isso, sem superlotação, Alcaçuz se tornaria viável como presídio para acomodar condenados que possam ser ressocializados. Não simplesmente fechar o presídio e depois reclamar que não se tem.

A extinção de Alcaçuz por ter sido construído em cima de dunas e se mostrar inviável hoje, parece mais decisão puramente política e precipitada. Não é hora de se fechar presídios se estamos precisando deles.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Presídios: caos lamentável

TANQUE Guerra é guerra vamos botar o Urutu nas ruas
Tento mudar de assunto, mas não consigo. Estamos diante de um tema recorrente nestes dias em que os presídios potiguares mais parecem uma praça de guerra, tal é a situação fora de controle.

Nas ruas o que mais se ouve aqui em Natal, Rio Grande do Norte, é como num presídio tão policiado entra tanta arma, drogas e celulares, apesar das vistorias serem frequentes. Só isso já é uma falta de controle.

Quem leva esse material para os presos, como entra com tanta facilidade e por que não se dobra a vigilância para impedir? Tudo causa curiosidade à população que questiona em cada conversa.

É verdade que o efetivo policial daqui é insuficiente, o que é indiscutível. Mas todo o policiamento está mais do que reforçado nos presídios e assim mesmo chega às mãos de presos drogas, armas e celulares – incrível! Aproveitam bloqueadores danificados e desligados para comandar o crime.

Tanto é que o policiamento está concentrado nos presídios, que nas ruas de Natal não vemos policiais e nem mesmo um carro de polícia passando.

Aí os assaltantes do varejo, esses dependentes de drogas, aparecem para fazer a festa, com a população praticamente desprotegida por aí afora. Natal virou uma cracolândia.

Como se fala muito em guerra montada nos presídios e em praça pública pelas facções criminosas que comandam o tráfico, é mais do que certo que Natal precisa ser uma cidade militarizada de ponta a ponta.

É urgente ter militares armados até os dentes ocupando as vias públicas para intimidar e acabar com o vandalismo de incendiar ônibus, carros oficiais e fuzilar delegacias, assim como pôr um basta nos assaltos que estão acontecendo à luz do dia.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

A praça esquecida

A principal praça do bairro de Neópolis, na zona sul desta bela Natal, há muito tempo reclama uma boa restauração pelo poder público municipal.

No entanto, a prefeitura nunca deu a mínima para tal situação, desde o primeiro mandato do prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT), que a incluiu no rol das praças a serem restauradas, mas até hoje nada.

Desconhece, certamente, que ali durante a semana e fins de semana, moradores do bairro a buscam para caminhadas em exercícios matinais e vespertinos e até mesmo cedo da noite.

A calçada que circunda a praça está quase toda destruída, dificultando as caminhadas, enquanto dentro da área que é bem vasta, o mato sobe sem ser campinado, dando aspecto mesmo de abandono.

Vez por outra uma associação de moradores que tem sede no local se compadece e ensaia uma limpeza possível, porém restauração mesmo continua sem ser feita pela prefeitura.

Parece que depois de muita reclamação, a iluminação à noite foi melhorada no local, mas sem nenhum outro serviço de melhoria que se possa elogiar o apreço ao local.

Pelo caminhar do descaso, tudo indica que o prefeito Carlos Eduardo vai terminar seu mandato sem dar essa alegria aos moradores de Neópolis, que frequentam a praça mesmo com aspectos de abandono.

Ainda bem que o local preserva uma academia ao ar livre instalada em gestão passada, onde muitos idosos, principalmente, fazem seus exercícios físicos.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Barbárie potiguar

Nunca se tinha visto antes tamanha barbárie no sistema prisional do Rio Grande do Norte, a exemplo do que aconteceu também em outros Estados brasileiros, como Amazonas e Acre.

O Brasil, infelizmente, não vive só uma crise, mas muitas ao mesmo tempo, que agora estourou nos presídios do país, escancarando a fragilidade e o mundo cão em que se transformaram as suas prisões nos Estados.

Aqui, no RN, a onda de violência no fim de semana, no maior de seus presídios, a Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, município da Grande Natal, deixa marcas de crueldade, desumanidade e incivilidade, antes jamais registrada em sua história do sistema carcerário.

Vinte e seis presos mortos em briga de facções criminosas rivais, dos quais 24 decapitados e dois corpos carbonizados, segundo números oficiais, que podem chegar a bem mais que isso.Que horror!

Governantes do passado de presidentes da República a governadores e legisladores deixaram de fazer o dever de casa, ignorando uma área que se tornava um pavio de pólvora no país e a bomba agora estourou.

A bomba terminou estourando no colo dos atuais governantes, que correm como baratas tontas para contornar esta e outras crises nos Estados brasileiros.

Quantas, enfim, barbárie teremos até que tudo volte à normalidade no sistema carcerário brasileiro? É absurdo que facções criminosas continuem mandando e atuando dentro dos presídios.

As rebeliões de presos cruéis, líderes de facções, escancararam para o mundo o precário sistema prisional que temos por aqui. Nossos ex-governantes deviam se envergonhar do que não fizeram.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Terrenão da extinta fábrica

EXTINTA Unidade industrial da Alpargatas S.A em Natal
Faz nem sei quanto tempo que a antiga fábrica da Alpargatas, empresa brasileira de calçados e artigos esportivos de marcas, deixou de existir no bairro de Neópolis, zona sul de Natal, mas até hoje não se sabe o que vai ser feito do imenso terreno onde ela funcionou.

Falou-se até num shopping que seria erguido no local, porém nenhuma informação chegou a ser dada concretamente. O terrenão está lá ainda com todos os prédios intactos, onde funcionou inclusive uma loja de fábrica, que mudou de endereço e migrou para o shopping Via Direta, na mesma zoa sul.

O terreno e os prédios em que funcionou a atividade industrial são guardados por vigilantes e cães bravos para, certamente, evitar invasões no local por grupos de movimentos sociais, até que um destino seja dado à área pelos diretores da Alpargatas S.A, que permanece existindo com as mesmas atividades.

Tenho passado muito por ali em minhas caminhadas matinais e fico admirando aquele terreno até hoje sem utilidade, talvez servindo apenas de especulação imobiliária de seus donos. Ali pode muito bem servir para vários projetos como, se não um shopping, um complexo educacional ou área residencial.

No entanto, dado o tamanho da área e da boa localização, à margem da BR 101, no trecho urbanizado pelo Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito), deve ter um valor altíssimo. É um negócio de alta cifra para quem se meter a comprar o terreno da unidade industrial que fechou faz anos.

Mais dias, menos dias aparecerá um destino para o local, agora cada vez mais valorizado, com a obra que o Dnit realizou na rodovia federal. É esperar para ver.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Calorão de janeiro

Olhei para o termômetro na tarde desta quarta-feira aqui em Natal e o termômetro assinalava 30º graus de temperatura, mas a sensação era de bem mais. Por isso caem as chuvas de verão pelo interior.

É calor de tirar o juízo se não estivermos com o ar condicionado ligado, seja em casa, seja no carro se deslocando para algum lugar. Nem o ventilador dá conta.

As notícias têm dado informações das chuvas que molham o chão ressecado de cinco anos de seca em municípios interioranos deste Rio Grande do Norte. Ah, como é bom um banho de chuva!

Quando menino, lá pela minha cidadezinha, esperava a chuva à tarde para sair na gritaria de um banho gostoso na bica mais próxima de onde estivesse. Era eu e a meninada toda na alegria da chuva.

Bem, mas estava falando mesmo do calor que nem de noite nos deixa. Bom para o consumo de água mineral, sucos gelados e sorvetes no passeio pelo shopping.

O calor nos tira até a inspiração e a vontade de escrever. Parece que à medida que o horário de verão se aproxima do fim, no próximo mês, em 19 de fevereiro, a temperatura vai subindo.

Que cheguem as chuvas para baixar o calor, sobretudo no sertão do semiárido que está a precisar de precipitações generosas. Só assim teremos fartura no campo que abastecem as cidades.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Crise sem fim

O Rio Grande do Norte convive com uma crise nas finanças públicas do governo estadual e prefeituras municipais que parece sem fim. Pelo menos data para terminar até aqui não tem, tornou-se imprevisível.

Desde o ano passado, o governo Robinson Faria (PSD) paga em atraso os salários do funcionalismo público sem conseguir contornar a situação crítica.

Não há receita que consiga superar a tal crise de falta de receitas. O tempo passa e parece que tudo vai se acomodando a conviver com tais dificuldades como se fossem normais.

O governador Robinson criticou tanto a sua antecessora e caiu no mesmo pantanal. É bom lembrar que no próximo ano teremos eleições para governador e presidente da República.

Aí é possível, sim, que por milagre apareça dinheiro para pôr em dia os salários atrasados. Dinheiro que pagou o 13º salário dos servidores, mas não conseguiu até aqui pagar o mês de dezembro.

Marchamos já para terminar a primeira quinzena de janeiro deste 2017. Governo que não vencer a crise este ano, com certeza vai levar pau nas próximas eleições. Quem viver viverá.

Ninguém é besta para confiar um segundo mandato a um governo atolado que não consegue sair do atoleiro. Queira-se ou não, cheira a incompetência governamental – ou não?

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Primeiro feriadão

Estamos aí começando o primeiro feriadão municipal de 2017 nesta sexta-feira Dia de Santos Reis, festa tradicional religiosa e social no bairro de mesmo nome aqui em Natal.

Quem não conhece os festejos de Santos Reis, na zona leste natalense, por onde começou o início da cidade de Natal, capital deste Rio Grande do Norte, que deveria ser do Nordeste.

Mas é que antigamente  só se falava mais em sul e norte do país. Daí que ficamos com o Rio Grande do Norte mesmo. Mas eu estava falando da festa de Santos Reis, que no passado já foi evento grandioso.

A Natal de Câmara Cascudo se mobilizava toda para os festejos que tomavam conta do bairro. Hoje a tradição ainda está de pé, mas não tanto como antes. A cidade cresceu, desenvolveu-se e mudou.

Há diversões outras por toda a cidade e o público é diversificado preferindo outras opções noturnas para seu feriado prolongado. Da zona norte à zona sul, da oeste à leste, há muito o que escolher para a noite.

O importante é que não se desperdice esse feriadão com bebedeira sem graça, que a nada leve. E muito cuidado, porque quem bebe não dirige. As blitze estão por aí flagrando embriagados no volante.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Iniciando ano de 2017

Olá gente boa!

Estamos retornando ao Blog depois de um bom período de recesso enquanto eu cuidava de minha saúde, assunto que já tratei em postagem no Facebook.  Agora é cuidar daqui também enquanto vou estudando como é que ficam Fatos & Notas do cotidiano, sem abandonar este espaço, que deve ter chamadas nas redes sociais Facebook e Twitter.

Inicio com fato já conhecido nosso: o novo salário mínimo. Neste início de 2017 chega a R$ 937. É pouco para se viver dele, mas muito para setores que sequer têm condições de reajustar salários ano a ano a fim de acompanhar a defasagem inflacionária.

É ele (o salário mínimo) que puxa a indexação da economia brasileira, indexando preços na indústria, comércio e setor de serviços. Daí é difícil não termos mais inflação no custo de vida. Não se iludam, ela vem embutida de alguma forma que até passa despercebida.

Entre esses setores que mais sofrem para acompanhar o mínimo está o setor público, que na atual recessão econômica, crise profunda, ressente-se da falta de finanças em suas receitas para dar dignidade aos servidores estaduais e municipais, principalmente.

Na verdade, há Estado em dificuldades que não consegue sequer pagar em dia a folha de pessoal, enquanto outros apelam para o parcelamento de salários como meio de cumprir seu dever.

Por essa e por outras iniciamos 2017 ainda mergulhados numa crise sem precedente na História deste país, embora com esperança de que seja um ano de superação de etapas. A primeira delas, é claro, colocar em ordem o tão sonhado ajuste fiscal público, que se arrasta faz tempo.

Depois virão outras etapas, como a de melhorar urgentemente os serviços de saúde, segurança e educação no país. Até lá devemos ter anos pela frente e governos com bons propósitos, a fim de pôr fim ao maior entrave do nosso desenvolvimento: a corrupção desenfreada. E é só por enquanto.