quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Sociedade contrariada

CAMPANHA #SOBROUPRAMIM
Começou no país as campanhas contra aumento de impostos e a volta da CPMF. É bem sugestivo o lema da campanha lançada pelo Sistema Fecomércio do Rio de Janeiro: #SobrouPraMim. Isso mesmo que vai mobilizar a população para tentar barrar a onda de impostos do ajuste fiscal do governo Dilma Rousseff (PT) e, sobretudo, o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, a detestada CPMF, agora sob análise do Congresso Nacional. Muitas outras mobilizações deverão se levantar país afora contra os impostos do governo Dilma. A contrariedade é nacional.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Vida cara

Assusta um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) com os seis maiores bancos do país. Verificou que o custo da anuidade do cartão de crédito subiu até 188% entre agosto de 2014 e esse mesmo mês de 2015. O aumento é mais de dez vezes superior ao da inflação acumulada no período, aferida em 9,56%, segundo o IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Os bancos pesquisados são: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú e Santander. Neste país, bancos podem tudo e não se faz nada.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

A estatística da violência

SECRETÁRIA Kalina Leite
Mata-se por aí afora a torto e a direito, como agora neste fim de semana, mas logo a secretária estadual de Segurança Pública e da Defesa Social do RN, Kalina Leite, vem a público para dizer que o número de homicídios é menor do que o anterior ao governo atual. A estatística sacada pela secretária sempre é favorável ao governo, o que quer dizer que em termos de insegurança a situação está melhor do que no governo passado. Os meios de comunicação alardeiam que o fim de semana em Natal foi o mais violento da crônica policial, com 14 mortes só na zona norte do sábado para o domingo, porém está sempre em redução em relação ao passado. Sei não! A realidade engana ou são os números oficiais?  

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Cresce insegurança

EXONERAÇÃO Edilson França
Hoje o problema em muitas capitais brasileiras não é de prender quem comete crime. A questão está na precariedade das cadeias públicas e presídios já superlotadas de presos. Prende-se muito só que não tem onde colocar tantos criminosos que a polícia prende. É o caso da situação em Natal, onde a superlotação de presos em delegacias de polícia e a precariedade do sistema prisional como um todo não dão conta do serviço e geram constantes fugas e rebeliões. O governo do Rio Grande do Norte sofre graves dificuldades nessa área, que o diga o agora o ex-secretário de Justiça e Cidadania, Edilson França, que diante de tanta pressão entregou o cargo. Uma grande perda para o governo Robinson de Faria.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Tamanho da crise

Para  aplicar expressão bem conhecida dos brasileiros e brasileiras, criada pelo próprio ex-presidente Lula, fundador do petismo, basta dizer que"nunca se viu antes neste país" tamanha crise econômica e política. O governo Dilma Rousseff (PT) decide entregar os anéis para não perder os dedos. Assim, o PT está comendo na mão do PMDB na base do toma lá dá cá. Sem o PMDB não sobrevive. Pior de tudo é que, mesmo num cenário de recessão econômica, Estados se veem obrigados a aumentar impostos para pagar as contas. O RN, por exemplo, já embarcou nessa. A crise é grave e agora salve-se quem puder!

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Clima ainda ameno

A temperatura tem subido por aí afora, mas Natal, capital potiguar, permanece com clima ameno, conforme ouvi nesta quarta-feira pela telelvisão. Somente Natal e São Paulo são as capítais  de temperatura máxima de 30 graus. As demais capitais brasileiras estão com o termômetro assinalando acima dos 30 graus Celsius, provocando calor neste início de primavera, quase já sem chuvas. Quer dizer que, mesmo com o Estado todo vivendo uma estiagem de quatro anos, a temperatura no litoral do Leste Potiguar privilegia a capital, com um calor ainda suportável para os padrões do Nordeste brasileiro. 

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Cenário é o mesmo

Em cem anos de secas que se repetem periodicamente no Nordeste brasileiro, o cenário é praticamente o mesmo em relação às consequências, conforme nos mostra o portal de internet do jornal Estadão, em reportagem de sua equipe que refaz o trajeto dos retirantes da seca de 2015, no sertão do Ceará. Drama retratado no primeiro romance da escritora Rachel de Queiroz, na obra "O Quinze". Açudes e barragens quase secas, enquanto cisternas em casas de famílias já não são suficientes para atender o abastecimento. Tudo isso – digo eu – sob os olhos de nossos governantes e demais políticos deste Brasil.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Beco sem saída

O governo Dilma Rousseff (PT) diz por meio de um porta-voz que não tem plano B em caso do conjunto de medidas (chamado de pacote) do ajuste fiscal ser rejeitado. Pacote que como principal pleito traz a volta da CPMF, imposto impopular sobre transações financeiras, já extinto tempos atrás pelo Congresso por rejeição da sociedade. Agora diante do desastre econômico em que se enfiou, o governo Dilma tenta ressuscitar a CPMF para tentar equilibrar despesa e receita em desequilíbrio fiscal. Se não tem Plano B e as alternativas se esgotaram, qual a única saída que lhe resta? Claro que se pode ser a renúncia para um governo sem apoio popular, político e sem mais credibilidade. É como correr para um beco sem saída.  

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

No fundo do poço

NORDESTE A crise também é hídrica
Chegamos a mais um fim de semana desta quase primavera, já que estamos nos despedindo de um inverno sem chuvas aqui no Nordeste brasileiro. Não bastasse a crise econômica pela qual passa o nosso país, como ainda crise política e de governança, sofremos também com a crise hídrica da qual já falei aqui esta semana, gerada pela prolongada estiagem que já vem de anos seguidos, e que chamamos de seca, na qual mergulhou a região. Vejo com tristeza nas notícias que passam na televisão açudes secando, peixes morrendo, gado também, enquanto o homem do campo contempla com desolação. E agora que marchamos para o verão quente?   

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Ruas quase vazias

RUA Coronel Cascudo no Centro
Estranhei um dia desses as calçadas sem gente ao andar lá pelo centro da cidade aqui em Natal. Uma das principais avenidas do comércio, a Rio Branco, apresentava-se pela manha quase vazias nas calçadas das lojas, demonstrando pouco movimento de transeuntes. Imaginei que só podia ser a crise econômica que está acabando com o movimento da área comercial. Uma segunda alternativa pensei que poderia ser a falta de locais para quem vem de carro estacionar, e a terceira a forte concorrência dos shoppings que mesmo cobrando pelo estacionamento, torna-se mais seguro e confortável nas compras. Mas a grande clientela do comércio do Centro anda de ônibus e de trem. Portanto, o pouco movimento está mesmo para a crise.   

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Arrisco um palpite 2

AJUSTE A pressa de Joaquim
O aprofundamento da crise que leva agora o país a viver uma recessão econômica, já dizem os entendidos que a volta à normalidade vai demorar e não será fácil. Não discuto as boas intenções do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Mas isso me lembra um dizer popular: de bem intencionados o inferno está assim de cheio – que me desculpem os céus pela troca na nota anterior de 1º de setembro. Minha impressão é que o ministro Joaquim administrou uma dosagem pra lá de forte ao doente terminal deitado em berço esplêndido. Em suma, arrisco a dizer, que o ajuste fiscal que se quer fazer já, instantaneamente, para ordenar as contas do país, não é obra para apenas um único governo. 

terça-feira, 15 de setembro de 2015

É imoral recriação da CPMF

JOAQUIM: O salvador de Dilma
Simplesmente não creio que povo brasileiro deixe recriar a CPMF como quer o ministro Joaquim Levy, da Fazenda, para cobrir as contas de despesas do governo petista para se manter no poder. Nem mesmo a criação de outros impostos.  A extinção da CPMF – ou que nome possa ter esse tributo –, foi extinto por conquista do povo e em hipótese nenhuma é justo, legal e decente querer voltar com essa tributação. Uma única pessoa só – no caso o ministro –  não pode vencer toda a população arvorando-se de salvador da pátria. Por que Joaquim não sugere a tributação alta para o lucro astronômico dos bancos? Disso ele não fala, quer vir pra cima dos contribuintes de sempre – nós. 

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Fim do inverno 2015

Estamos no finzinho do inverno 2015 no hemisfério sul, sem chuvas que enchessem os reservatórios hídricos para atravessar o verão, estação de temperatura alta. Aqui pelo Nordeste brasileiro, em particular falo do Rio Grande do Norte, a situação é crítica nos grandes açudes, barragens, rios e demais recursos que existem para armazenar água. Vamos sair deste inverno de poucas chuvas sem água, prolongando a estiagem que já vem de uns três ou quatro anos para cá nesta mesma pisada. O quadro de crise hídrica é lastimável. O inverno termina oficialmente depois do dia 20, dando lugar à primavera. Ah, a primavera das flores! Poderíamos estar mais alegre para recebê-la se não fosse a seca. 

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

A insegurança domina

Parnamirim, município da Grande Natal, é uma das cidades que juntamente com a capital, vive  situação de muita insegurança nos dias de hoje, assim como outras regiões metropolitanas do país. Mais um caixa eletrônico é estourado na madrugada desta sexta-feira na cidade vizinha pela bandidagem, num posto de combustível com loja de conveniência. O Brasil vive não só uma crise econômica e política, mais também uma crise de insegurança que cresce em todas as cidades, principalmente as maiores. Faltam políticas públicas em áreas carentes, faltam cadeias públicas e um sistema penitenciário confiável.  

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Até aonde vai a crise?

AGÊNCIA Americana rebaixa nota do Brasil
A crise econômica que se agrava no governo Dilma Rousseff (PT), agora também com rebaixamento do grau de investimento dada por agência especializada, já afeta programas sociais que tanto o partido da presidente diz querer preservá-los. Por enquanto, os dois afetados são o Minha Casa Minha Vida, da habitação, e o Pronatec, da educação. Li na mídia eletrônica que o Bolsa Família foi poupado. Porém, o governo está sendo obrigado a cortar mais despesas. Ainda resiste em reduzir ministérios e cargos comissionados no governo federal. Joaquim, o ministro da Fazenda, só fala em aumentar impostos.   

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Tirem a mão do meu bolso

Como o governo Dilma Rousseff (PT), responsável pelo desastre econômico nas contas federais, quer aumentar impostos sem fazer o dever de casa? Depois da rejeição da recriação da CPMF, agora o governo petista quer aumentar outros impostos para salvar a pele . O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, fala em criar novas alíquotas para o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) como forma de fechar as contas do ajuste fiscal. Se não esse, fala-se em outros como o da Cide, o imposta da gasolina, o IPI, imposto sobre produtos industrializados, ou o IOF, imposto sobre operações financeiras. Motivo para um grande protesto nacional, porque os cortes por parte do governo não são feitos, como a redução dos ministérios e dos cargos comissionados. Brasileiros e brasileiras, uni-vos, diga Nãoooo! Em alto e bom som.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Desobediência

ÔNIBUS Passagem gratuita
Motoristas do transporte de ônibus em Natal desobedecem decisão da Justiça e mandam que passageiros idosos embarquem pela porta traseira em vez da dianteira como é para ser o embarque de todos. Nesta terça-feira (8), o teste foi feito por mim mesmo, beneficiário da lei, que só consegui embarcar pela porta dianteira depois de ameaçar denunciar o flagrante desrespeito. Aí sim, o motorista pediu o número da identidade e a data de nascimento para liberar em seguida. Mas presenciei outras pessoas serem mandadas subir pela porta de trás quando mostravam apenas documento com foto, sem a carteira do cadastro da STTU de gratuidade que dá acesso ao passar na máquina de leitura. Alguns motoristas – sem cobradores – não querem perder tempo com as anotações do número da identidade e data de nascimento, principalmente nas paradas intermediárias.

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Delícia de caldo de cana

Em fim de semana nada mais cooerente do que falar de amenidade. É que agora no caminho onde moro, entre meu apartamento e a academia de ginástica, instalaram recentemente um quiosque que vende caldo de cana. Tenho passado e resistido à tentação da bebida, que na minha juventude foi opção para o lanche de preço acessível. Na época, estudante de pouca economia,  o caldo de cana com pastel, era irresistível. Além de delicioso e nutritivo, pagava-se pouco. Hoje, com o avanço da idade, nunca mais tomei um caldo da cana, evito para não aumentar a glicose no sangue. Mas qualquer dias desses não resisto.   

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Estados em apuros

Enquanto aqui no Rio Grande do Norte o governo Robinson Faria (PSD) faz saques no fundo previdenciário estadual para pagar em dia aposentados e pensionistas, no outro Rio Grande (do Sul) a situação ficou preta mesmo com a crise nas finanças. O governo gaúcho se viu obrigado a parcelar o pagamento dos servidores estaduais do mês de agosto em quatro parcelas. O pagamento se iniciou em 31 de agosto, com a primeira parcela de R$ 600; segue a segunda, de R$ 800, em 11 de setembro. A terceira, de R$ 1.400  está prevista para 15 de setembro; e a quarta, que inclui o restante do valor, 22 de setembro. Resultado: greve geral dos servidores estaduais gaúchos.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Vidas secas

ITANS Açude no volume morto
A notícia é estarrecedora! O açude Itans, um dos maiores reservatórios hídricos do Seridó potiguar, passa por uma fase triste. Seu volume de água está abaixo de 5%, segundo o Dnocs – Departamento Nacional de Obras Contra a Seca. Portanto, abaixo do "volume morto", quando o nível da água não alcança mais sequer as comportas do reservatório. Isso é quer dizer que dos 81,7 milhões de metros cúbicos de água, o açude só tem 4 milhões. A cidade de Caicó, conforme noticiou a mídia local, passa por sistema de rodízio no abastecimento de água. A retirada é feita por bombas de sucção. Imagine que ainda estamos no inverno e quando vier a primavera e depois o verão? Pelos céus!

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Arrisco um palpite

AJUSTE Apressa de Joaquim
O aprofundamento da crise que leva agora o país a viver uma recessão econômica, já dizem os entendidos que a volta à normalidade vai demorar e não será fácil. Não discuto as boas intenções do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Mas isso me lembra um dizer popular: de bem intencionados o inferno está assim de cheio – que me desculpem os céus pela troca na nota anterior. Minha impressão é que o ministro Joaquim administrou uma dosagem pra lá de forte ao doente terminal deitado em berço esplêndido. Em suma, arrisco a dizer, que o ajuste fiscal que se quer fazer já, instantaneamente, para ordenar as contas do país, não é obra para apenas um único governo.